Adoçante não ajuda a emagrecer, pelo contrário: estudo mostra sequelas sérias


Bastante comum na mesa de quem está de dieta e evitando açúcar, o adoçante de tempos em tempos vira foco de debates e polêmicas sobre sua eficácia e possíveis efeitos colaterais a longo prazo.
E uma nova e abrangente pesquisa publicada pelo Canadian Medical Association Journal traz dados bastante negativos sobre o produto, mostrando que além de não ajudar a emagrecer, ele pode deixar sequelas sérias.
Adoçante pode aumentar o apetite e causar doenças

De acordo com o estudo realizado pela Universidade de Manitoba, o uso prolongado de adoçantes como aspartame, sucralose e stevia pode ter efeitos negativos sobre o metabolismo e apetite, além de prejudicar as bactérias intestinais.
O trabalho científico ainda apontou que não há nenhuma evidência que mostre que o adoçante realmente ajude na perda de peso.

Após a revisão de 37 estudos que seguiram mais de 400 mil pessoas por uma média de 10 anos, os estudiosos afirmaram que não foi observado emagrecimento consistente em pessoas que consumiram adoçantes artificiais.
Os cientistas relatam que são necessárias mais pesquisa para determinar os prós e contras do uso a longo prazo dos adoçantes e chegam a sugerir que seu consumo, na verdade, pode ter efeito estimulante sobre o apetite, além de possivelmente aumentarem os riscos de obesidade, diabetes, hipertensão arterial e doenças cardíacas.

 

LEIA MAIS IMPRIMIR ou SALVAR COMPARTILHAR ou SALVAR SALVAR PDF